quinta-feira, 16 de abril de 2015

Dicas de Filmes Nacionais que eu recomendo - Lista completa



Há alguns anos o cinema nacional vem surpreendendo muito além das pornochanchadas e da comédia pastelão. Com roteiros consistentes e muito bem elaborados, o cinema do Brasil vem apresentando enredos poéticos, surreais, reflexivos, muito além dos filmes da Xuxa e das comédias rasas comuns até a década de 1990.

1. Lavoura Arcaica (2001) Luiz Fernando Carvalho


Lavoura Arcaica é um dos melhores filmes que o cinema nacional já foi capaz de fazer. Selton Mello em mais uma grande atuação ao lado de Leonardo Medeiros e o do brilhante, já falecido, Raul Cortez. Repleto de diálogos longos e poéticos, com uma fotografia linda graças a Walter Carvalho (o mesmo de Central do Brasil). Lavoura Arcaica não tem a intensão de ser um filme fácil para o grande público. A proposta é exatamente instigar o espectador a decifrar e juntar as peças. André (Selton Mello) é um filho desgarrado, que saiu de casa devido à severa lei paterna e o sufocamento da ternura materna. Pedro (Leonardo Medeiros), seu irmão mais velho, traz ele de volta ao lar a pedido da mãe. André aceita retornar, mas irá irromper os alicerces da família ao se apaixonar por sua bela irmã Ana. Um dos grandes filmes brasileiros da década de 2000, cheio de poesia visual.


2. Estômago (2007) Marcos Jorge


Trilha simples e bem executada, fotografia maravilhosa, enredo chamativo. Um filme que cativa por sua simplicidade, incluindo o charme do personagem principal. Em poucas palavras, um filme pouco conhecido mas que resume bem o potencial dos atores nacionais.
Raimundo Nonato (João Miguel) foi para a cidade grande na esperança de ter uma vida melhor. Contratado como faxineiro em um bar, logo ele descobre que possui um talento nato para a cozinha. Com suas coxinhas Raimundo transforma o bar num sucesso. Giovanni (Carlo Briani), o dono de um conhecido restaurante italiano da região, o contrata como assistente de cozinheiro. A cozinha italiana é uma grande descoberta para Raimundo, que passa também a ter uma casa, roupas melhores, relacionamentos sociais e um amor: a prostituta Iria (Fabiula Nascimento).


3. Amarelo Manga (2003) Cláudio Assis


Não recomendado para os facilmente impressionáveis. Um filme que quebra tabus e desconstrói imagens. Cláudio Assis brinca com elementos de maneira crua e suja, sem máscaras, o que torna o longa primoroso. Os atores, assim como seus personagens, estão despidos de qualquer censura. No subúrbio de Recife, Lígia (Leona Cavalli) acorda já mal humorada, pois terá de suportar mais um dia servindo fregueses, que às vezes a bolinam no bar onde trabalha. Quando o dia terminar, só lhe restará voltar ao seu pequeno quarto, em um anexo do bar, e dormir para suportar a mesma coisa no dia seguinte. Paralelamente Kika (Dira Paes), que é muito religiosa, está frequentando um culto enquanto seu marido, Wellington (Chico Diaz), um cortador de carne, decanta as virtudes da sua mulher enquanto usa uma machadinha para fazer seu serviço. Neste instante no Hotel Texas, que também fica na periferia da cidade, Dunga (Matheus Nachtergaele), um gay que é apaixonado por Wellington, varre o chão antes de começar a fazer a comida. Na verdade ele é a pessoa mais polivalente no Texas, pois faz de tudo um pouco. Um hóspede do Hotel Texas, Isaac (Jonas Bloch), sente um grande prazer em atirar em cadáveres, que lhe são fornecidos por Rabecão, um funcionário do I.M.L. Apesar de decantar Kika, isto não impede de Wellington ter uma amante, que está cansada da situação e quer que ele tome logo uma decisão. Já Dunga pretende conseguir Wellington de outra forma, ou seja, fazendo um trabalho em um terreiro, assim de uma vez só ele “dá uma rasteira” na mulher e na amante. Isaac vai se encontrar no bar com Rabecão para lhe avisar que pode levar o cadáver. Lá ele conhece Lígia e sente vontade de ir com ela para a cama, mesmo com Rabecão lhe avisando que ninguém ali havia tentado.

O Cheiro do Ralo (2007) Heitor Dhalia


O Cheiro do Ralo narra a história de Lourenço (Selton Mello), dono de uma loja que compra objetos usados de pessoas que passam por dificuldades financeiras. Dada a natureza de seu negócio - a aquisição sempre pelo menor preço possível -, Lourenço acaba por desenvolver um jogo perverso com seus clientes. Aos poucos, esse personagem substitui, em seu relacionamento com os clientes, a frieza pelo prazer que sente ao explorá-los em um momento de aflição financeira. Perturbado pelo simbólico e fedorento cheiro do ralo que existe na loja, Lourenço é colocado em confronto com o universo e os personagens que julgava controlar. Isso o obriga a uma reavaliação de sua visão de mundo e o conduz, de forma inexorável, para um trágico desfecho. De certo modo, sua coleção de tipos se rebela e se volta contra ele. Na loja, Lourenço acaba sendo confrontado pelos personagens que julgava controlar.

5. Abril Despedaçado (2001) Walter Salles (Botafoguense)



Um dos filmes nacionais que mais me emocionaram inicia-se em abril de 1910, na geografia desértica do sertão nordestino onde vive Tonho (Rodrigo Santoro) e sua família. Tonho vive atualmente uma grande dúvida, pois ao mesmo tempo que é impelido por seu pai (José Dumont) para vingar a morte de seu irmão mais velho, assassinado por uma família rival, sabe que caso se vingue será perseguido e terá pouco tempo de vida. Angustiado pela perspectiva da morte, Tonho passa então a questionar a lógica da violência e da tradição. Frente a esse contexto ainda surge o tormento do amor e da oportunidade de mudança.

E você, qual filme brasileiro te encanta? Faltou algum na lista?

quarta-feira, 25 de março de 2015

Preparem-se para a pior sequência de Quarteto Fantástico (como se não bastassem as primeiras serem ruins)



"A mudança está chegando", anuncia o novo cartaz de Quarteto Fantástico, filme que vai reiniciar a franquia oito anos depois de Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado (2007). A arte do pôster traz uma versão da tomada de encerramento do primeiro trailer do filme e ressalta os poderes de cada personagem. O Coisa (Jamie Bell) aparece em sua forma de pedra, o Tocha Humana (Michael B. Jordan) está com as mãos em chamas e a Mulher Invisível (Kate Mara) está parcialmente transparente. O Sr. Fantástico (Miles Teller) é o personagem cujo poder está menos evidente.

Recentemente Teller confirmou em entrevista que o filme seguirá um pouco da cartilha Batman - O Cavaleiro das Trevas, no sentido de apostar em um clima mais sombrio e realista ao invés de investir nos toques de humor como alguns filmes da Marvel Studios. "Nós procuramos colocar nossa marca nisso. Nós estamos respeitando a história dos personagens, mas nós vamos trazê-los para a atualidade, disse o ator. 

Com direção de Josh Trank, que assinou Poder Sem Limites e vai dirigir um spin-off de Star Wars ainda inédito, o filme traz ainda o ator Toby Kebbell no papel do vilão Dr. Destino. Ao contrário dos filmes anteriores, no novo Quarteto Fantástico os personagens vão adquirir os poderes especiais depois de se teletransportarem para um universo alternativo.
A estreia está marcada para o dia 6 de agosto de 2015.

terça-feira, 24 de março de 2015

Vin Diesel homenageia Paul Walker depois da morte trágica


Vin Diesel, 47, resolveu homenagear o amigo Paul Walker, morto em 2013. Segundo a revista ‘People’, o ator deu à filha, nascida em 16 de março, o nome de Pauline depois de ter sentido a presença do amigo durante o nascimento da menina.
"Não havia outra pessoa em que eu estava pensando quando cortei o cordão umbilical. Eu só … sabia que ele estava lá", contou Vin Diesel em entrevista ao programa ‘Today’ da NBC. Paul Walker eVin Diesel atuaram juntos diversas vezes na franquia ‘Velozes e Furiosos’.
"Eu senti que era maneira de manter sua memória como parte da minha família e parte do meu mundo", explicou Diesel sobre a escolha do nome da filha. Pauline é a terceira filha do ator a modelo Paloma Jiménez.

sexta-feira, 20 de março de 2015

James Franco é Gay!!!


Em entrevista à revista de empregos para LGBT Four Two NineJames Francoentrevistou... Ele mesmo. Na verdade, o "James Franco heterossexual" entrevistou o "James Franco gay".
Para brincar com os frequentes rumores sobre sua orientação sexual, o ator perguntou a si mesmo se ele é gay ou não. A resposta do "James Franco Gay" foi ótima:
"Eu gosto de pensar que sou gay na minha arte e hétero na minha vida pessoal."
E disse mais:
"Embora eu seja gay em minha vida a ponto da relação e você poderia dizer que sou hétero. Então, acho que depende de como você define 'gay'. Se significa com quem você transa, então acho que sou hétero. Nas décadas de 1920 e 30, costumavam definir a homossexualidade pelo seu comportamento, e não pela pessoa com quem você dormia. Marinheiros trepavam uns com os outros o tempo todo, mas desde que eles se comportassem de modo masculino, não eram considerados gays. Já escrevi um poeminha sobre isso."

sexta-feira, 13 de março de 2015

Johnny Depp interpretou 10 personagens bem caricatos

Johnny Depp, que volta às telonas nessa semana com Mortdecai: A Arte Da Trapaça, é um dos atores mais relevantes de sua geração. Conhecido pela participação na série "Anjos da Lei" e pelos papéis excêntricos, principalmente na extensa parceria com Tim Burton, aos poucos ele ganhou seu lugar ao sol em Hollywood. Mas mesmo diante de tanto sucesso, há quem diga que o ator não consegue desencarnar das interpretações caricaturais e, por vezes, repetitivas. Para não perder a piada, selecionamos dez personagens que provam que Depp virou uma caricatura de si mesmo:



Em Mortdecai, que estreia nessa quinta-feira (12), Depp vive um larápio traficante de obras de arte . O trapaceiro Charles Mortdecai parece ser uma versão gourmet de Jack Sparrow: A forma cômica de falar, o excêntrico figurino e até o "tique"  de levantar o bigodinho estão lá.



 Clássico dos anos 90 e da sessão da tarde, Edward Mãos De Tesoura foi o primeiro filme de Depp a abordar o universo fantástico. Vivendo o icônico homem que tem lâminas no lugar das mãos, Depp firmou sua longa parceria com Tim Burton e de quebra iniciou um romance com Winona Ryder, também protagonista da película.



Jack Sparrow é um dos personagens mais conhecidos do americano. O (quase) anti-herói da franquia Piratas Do Caribe  foi o responsável por apresentar Depp às gerações mais novas.



Em Caminhos Da Floresta, Depp viveu uma versão moderninha do Lobo-Mau de Chapeuzinho Vermelho e soltou o vozeirão ao lado da jovem Lilla Crawford.



Outro filme em que Depp mostrou seus dotes vocais foi Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco Da Rua Fleet. Na trama, o barbeiro Benjamin Barker volta à Londres em busca de vingança. Ao se aliar com a Sra. Lovett, uma cozinheira esquisitona, os dois conquistam a clientela londrina com suas tortas pra lá de macabras.


Quem melhor para viver o Chapeleiro Maluco, em uma adaptação de Alice No País Das Maravilhas dirigida por Tim Burton, do que ele? No longa de 2010, Johnny Depp viveu o companheiro de Alice - daquele jeito excêntrico que só ele sabe fazer.



Na versão moderna do clássico A Fantástica Fábrica De Chocolate, dirigida por Tim Burton, Depp incorpora Willy Wonka, dono da mais famosa fábrica de doces da Inglaterra que organiza um estranho sorteio para escolher o novo dono de seu império misterioso.



Na trama de suspense A Lenda Do Cavaleiro Sem Cabeça, Depp,  na pele do investigador Ichabod Crane, tem a missão de desvender misteriosas mortes ocorridas no condado de Sleepy Hollow. Tudo leva a crer que o assassino seja o temido Cavaleiro sem Cabeça, mas novas revelações levam essa história a um lugar inesperado.


Em mais uma de suas parcerias com Tim Burton, em Sombras Da Noite o ator aparece com um visual bastante sombrio ao viver o vampiro Barnabás.



Baseado nos quadrinhos de Alan Moore, Do Inferno traz Johnny Depp na pele do perturbado inspetor Frederick Abberline, que além do talento para desvendar mistérios, possue poderes especiais.

quarta-feira, 11 de março de 2015

Por onde anda o elenco de Clube dos Cinco?

Há 30 anos, o mais improvável grupo de garotos era condenado a passar um longo sábado na escola. Detidos por mal comportamento, o valentão John (Judd Nelson), o atleta Andrew (Emilio Estevez), a revoltada Allison (Ally Sheedy), a patricinha Claire (Molly Ringwald) e o geek Brian (Anthony Michael Hall) acabaram formando o célebre "Clube dos Cinco" (“The Breakfast Club”, no original). Com direção de John Hughes e trilha sonora do Simple Minds, a comédia se transformou em um verdadeiro clássico cult, ajudando a definir a estética dos filmes adolescentes da década de 1980. Desde os anos de colegial, muita história aconteceu com o elenco. Veja a seguir como estão e o que fizeram os atores desde 1985.


O eterno valentão Judd Nelson, o mais velho da turma, teve uma carreira prolífica. Acumulando pequenos e constantes papeis nas telas, estrelou filmes como "O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas" e "O Império (do Besteirol) Contra-Ataca", além de ter atuado na série "Suddenly Susan". Também roteirista e produtor, interpretou recentemente o Dr. Morris no terror "Nurse 3D", de 2013 


 Irmão mais velho do ator Charlie Sheen, Emilio Estevez, viveu mais baixos do que altos. Desde os anos 1980, tem tentado se lançar como diretor. Seu principal filme, “Bobby”, estrelado por Sharon Stone e Anthony Hopkins, fez algum sucesso em 2006, que não conseguiu repetir no longa seguinte, "The Way" (2010). Sua última atuação foi no telefilme "Abominable Christmas" (2012), dublando um dos personagens


Garota problema de "Clube dos Cinco", Ally Sheedy acabou virando professora de artes cênicas em uma escola secundária de Nova York. Chegou até a dar aulas para Lourdes Maria, filha da cantora Madonna. Em paralelo, mantém a carreira de atriz. Foi indicada a prêmios pelas atuações nos dramas "High Art – Retratos Sublimes" (1998) e "Life During Wartime" (2009)


Na adolescência, Molly Ringwald foi alçada à "namoradinha da América", após o sucesso dos filmes "Gatinhas e Gatões", "Clube dos Cinco" e "A Garota de Rosa Shocking", todos do diretor John Hughes. Nos anos 1990, porém, a carreira não engrenou. Hoje, Molly atua diversas frentes: faz séries (como na já encerrada “The Secret Life of the American Teenager”), escreve livros e até canta. Em 2013, ela lançou seu primeiro álbum, "Except Sometimes", voltado ao "pop jazz"



Antes de ser o geek Brian em "Clube dos Cinco", Anthony Michael Hall já havia feito sucesso com "Férias Frustradas", escrito por John Hughes. O êxito nos filmes fez dele um dos principais astros teen da TV americana nos anos 1980. Chegou até a apresentar o humorístico "Saturday Night Live". Entre 2002 e 2007, viveu o protagonista da série "O Vidente" ("The Dead Zone"), baseada no livro homônimo do escritor Stephen King. Também apareceu no recente "Foxcatcher", que concorreu ao Oscar de melhor filme

Caça-fantasmas pode ter uma continuação?


O estúdio Sony Pictures Entertainment criou a produtora Ghost Corps para trabalhar com o novo universo de conteúdos relacionados com a saga de "Os Caça-Fantasmas", inclusive um filme que poderia ser protagonizado por Channing Tatum.

Segundo informou nesta segunda-feira (9) a revista "Variety", a companhia estará dirigida pelo diretor Ivan Reitman e o ator Dan Aykroyd, que participaram dos dois primeiros filmes, e se encarregará de desenvolver longas-metragens, projetos de televisão e produtos de venda associados com os caçadores de fantasmas.

A primeira tarefa da Ghost Corps será iniciar a filmagem de um longa-metragem que seria dirigido por Anthony e Joe Russo, os irmãos responsáveis por "Capitão América 2: O Soldado Inverna", e teria o roteiro de Drew Pearce ("Homem de Ferro 3").

Channing Tatum será produtor desse filme e pode até mesmo protagonizá-lo, apesar de esta decisão ainda não ter sido tomada.

O filme seguiria ao que a Sony estreará em 2016, dirigido por Paul Feig e com Kristen Wiig e Melissa McCarthy como protagonistas de uma história com caçadoras de fantasmas.

O clássico "Os Caça-Fantasmas" (1984), que teve uma sequência em 1989, conta a história de um grupo de parapsicólogos que, após serem despedidos de seu trabalho na universidade, decidem montar um negócio para capturar fantasmas, cuja presença se torna cada vez mais notável nas ruas de Nova York.